É comum que, ao término de uma Constelação, o cliente me pergunte: “Devo fazer algo?”. Pensando nisso, criei esse passo a passo para que sua Constelação seja de muita transformação e cura em sua vida. Vamos lá:

 

  • Evite comentar e busque silenciar

Somos de uma era em que tudo se comenta, principalmente em redes sociais. Estamos cada vez mais ansiosos, cheios de informações, com falas e pensamentos acelerados.

 

Contudo, ao aplicar esse ritmo após a sua Constelação, especialmente ao compartilhar com alguém que não vivenciou essa experiência e tão pouco compreende a filosofia prática dela, você corre o sério risco de entrar no que chamo de “modo racional”, o que pode gerar medos e dúvidas que antes não existiam.

 

Por isso é tão importante silenciar, especialmente nos primeiros dias após sua Constelação. Quando silenciamos, reduzimos a força do “modo racional”, que normalmente atua na maioria do tempo para nós, humanos. Ao silenciar, você notará que alguns insights surgem “do nada”. Silenciando, você abre espaço para que o corpo também assimile o que foi visto, e principalmente, vivenciado.

 

  • Sinta, ao invés de pensar

Demorei muitos anos para entender que a vida é muito mais sobre sentir do que pensar. Com base em estudos de neurociência e formação do sistema de crenças, entendi que muitos pensamentos estão no “modo racional”. Muitos medos, culpas e julgamentos, que na maioria esmagadora das vezes não fazem sentido, estão no “modo racional”.

 

A Constelação gera uma nova visão diante de seus olhos. Se você se deixar olhar para o resultado com olhos antigos e viciados, talvez não perceba a oportunidade que tem nas mãos para se abrir de coração e tomar o próprio lugar. Romantizar as relações leva a decepção, dado que as coisas são como são, e essas fantasias românticas alimentam estados de ansiedade e desmotivação.

Sugiro que você se abra para o novo, que permite olhar para a realidade de uma forma mais madura.

 

Sentir ao invés de pensar significa acalmar a mente, resistir à tentação de vasculhar os significados do que foi visto, de contar, e muitas vezes, repetir inúmeras vezes como foi a própria experiência da Constelação. Respeite o tempo que seu corpo e seu inconsciente precisam para se alinhar com as novas informações recebidas.

 

  • Aprender a confiar

Essa confiança começa em sentir se é hora de constelar, sentir quem será o seu facilitador e permitir se abrir para imagens que muitas vezes são desconhecidas em plenitude por nossa consciência.

 

Sua história familiar é rica e repleta de registros e acontecimentos de muitas e muitas gerações, a maioria deles desconhecida por você, mas todos pertencentes ao seu sistema familiar.

 

Eu reconheço isto?

 

Mesmo sem a lembrança racional de um acontecimento, o fato de algo ter acontecido dentro do sistema familiar é suficiente para que isso tenha influência em nossa vida, geralmente de forma inconsciente.

 

Saberei lidar com o que estou vendo?

 

Como facilitadora, entendo que o que surge numa constelação é o ESSENCIAL a ser visto naquele momento. Com confiança, o cliente pode acessar algo muito valioso que transparece através do trabalho da Constelação Familiar, que transforma e dá novo significado a tudo.

 

 

Silenciar, acalmar a mente e confiar: este é um bom caminho para trilhar após uma Constelação Familiar.

 

Com amor

Queli Rodrigues

 

 

Share This